SAÚDE

Diabetes já matou pelo menos 15 mil no Maranhão

Segundo especialistas, uma boa parte da população convive com a doença e não sabe

Exame de índice glicêmico pode ser feito em postos de saúde. (Foto: Reprodução)

O mais recente estudo do Ministério da Saúde mostra que a diabetes cresceu 17% na população masculina nos últimos 11 anos em São Luís. Em 2017, 5,5% dos homens diziam ter diagnóstico de diabetes na capital.

Há 11 anos, o número de homens que tinham sido identificados com a doença era de 4,7%. Apesar de apresentarem o maior percentual em 2006, o número de mulheres com diagnóstico de diabetes se manteve estável no ano passado (5,6%).

Segundo especialistas, uma boa parte da população convive com a diabetes e não sabe. Por esse motivo, o 14 de novembro, Dia Mundial do Diabetes, é uma data para alertar a população sobre a doença, a prevenção, os seus fatores de risco, os cuidados e o tratamento.

Dados Maranhão

Entre 2010 e 2016, o diabetes já vitimou com óbitos 15 mil pessoas no Maranhão. De acordo com o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), o número cresceu 25% no período, saindo de 1.847 mortes para 2.314 no ano de 2016. Na contramão dos óbitos, a quantidade de internações cresceu: foram 4.865 em 2010 e 8.881, em 2016.

O diabetes é responsável por complicações, como a doença cardiovascular, a diálise por insuficiência renal crônica e as cirurgias para amputações dos membros inferiores. Atualmente, o Brasil é o 4º no ranking mundial de incidência do Diabetes.

Segundo a endocrinologista Dra. Débora Lago, mais de 1 milhão de pessoas morrem por complicação de diabetes no mundo: “o número tem aumentado bastante. Especificamente o tipo 2, que é um tipo de diabetes que a pessoa em geral não é dependente inicialmente de insulina, mas ao longo da vida vai requerer”.

“O ponto principal desse tipo 2 é que pode prevenir com essas mesmas indicações. Os adultos em geral tem diabetes tipo 2 por uma predisposição genética, familiar”, aponta a médica.

Evento de conscientização

Na Unidade referência em Diabetes e Hipertensão, o Centro de Especialidades Médicas (Cemesp) do Bairro de Fátima (Rua Deputa do João Henrique, nº 64, próximo ao Hospital Guarás), em São Luís, haverá ação educativa para pacientes e acompanhantes sobre os riscos de desenvolvimento do diabetes e complicações associadas à doença crônica, nessa quarta-feira (14), a partir das 9h.

A atividade de sensibilização visa o incentivo a mudanças no estilo de vida, o diagnóstico precoce da doença, a prevenção em quadros de pré-diabetes e alimentação saudável.

O circuito educativo no Cemesp trará palestras sobre “Fisiopatologia, sinais e sintomas do Diabetes”, “Nutrição eficiente”, “Qualidade de vida e saúde emocional”, “Atividade física para o manejo do Diabetes”, “Uso de medicação oral e insulina”, “Rede de atendimento da pessoa com Diabetes” e “Saúde bucal no Diabetes”.

O Cemesp Bairro de Fátima realiza em média 7.663 consultas por mês, sendo 591 pacientes atendidos por especialista em endocrinologia.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS