RESIDUOS SÓLIDOS

Novos Ecopontos e galpões de triagem em São Luís

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr, assina ordem de serviço para criação de cinco novos ecopontos e galpões de triagem

Reprodução

São Luís vai ganhar cinco novos Ecopontos e dois galpões de triagem para benefício das cooperativas de catadores de resíduos da capital. Para a construção dos novos equipamentos urbanos de coleta seletiva, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior assinou, nesta terça-feira (30), no Palácio La Ravardière, a ordem de serviço que autoriza a execução dos projetos. A criação dos ecopontos como parte da política de gestão de resíduos sólidos implementada no município, acaba de colocar novamente o prefeito Edivaldo na final do Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor, devido à importância da iniciativa para a sustentabilidade ambiental local. Com os novos ecopontos, que serão instalados nos bairros do Sacavém, Itapiracó, Vila Isabel, Mata Roma e Centro, a Prefeitura atinge, até o final deste ano, a marca de 16 pontos de coleta sustentável de resíduos em de São Luís.

No ato de assinatura da ordem de serviço, o prefeito Edivaldo anunciou que até o final da sua gestão a capital contará com 30 ecopontos implantados em diversos bairros da cidade. Destacou, ainda, a ação como uma das mais importantes iniciativas executadas para consolidar a profissionalização da gestão de resíduos sólidos em São Luís.

“Digo com total propriedade que nossa gestão foi a que mais avançou na condução da política de gestão dos resíduos, outro grande legado que deixaremos para a população da nossa cidade, que por décadas conviveu com o problema dos lixões e com a ineficiência da coleta de lixo, o que não se observa mais atualmente. E os ecopontos vieram para fechar o círculo da destinação adequada de resíduos, estimulando o descarte adequado, envolvendo a sociedade no processo, contribuindo para a geração de renda às associações de catadores e atribuindo responsabilidades a todos os setores diretamente envolvidos com a gestão dos resíduos em nossa cidade”, afirmou o prefeito Edivaldo.

O gestor municipal destacou também o fechamento do Aterro da Ribeira como um marco da gestão de resíduos sólidos na capital, por ser este o maior ato já executado em São Luís na área. “Fechar o Aterro da Ribeira, para que a operacionalização desse serviço fosse feito por um aterro sanitário moderno e dentro das normas ambientais, como assim é a Central de Gerenciamento Ambiental Titara, para onde é destinado atualmente todo o lixo produzido na capital, foi o início de todo o processo para que a cidade vivenciasse hoje as melhorias na área”, complementou o prefeito.

Atualmente, São Luís tem 11 Ecopontos em pleno funcionamento. A implantação do projeto iniciou em 2016, integrando diversas ações realizadas com o objetivo de garantir à população um espaço para a destinação ambientalmente adequada de todos os resíduos que podem ser reciclados ou reutilizados. Com a disponibilização dos ecopontos, a Prefeitura elimina os pontos de descarte irregular no entorno dos Ecopontos. A eliminação dos pontos de deposição irregular propicia ainda que as áreas, antes degradadas, possam se recuperar, reduzindo os efeitos da poluição para o solo, a água e o ar no entorno.

A presidente do Comitê Gestor de Limpeza Urbana, Carolina Estrela, destacou a criação dos novos ecopontos e dos galpões de triagem como um reforço a mais nas ações desenvolvidas pela Prefeitura para o gerenciamento dos resíduos produzidos na capital e para o fortalecimento do trabalho das cooperativas de catadores.

“Com o fechamento do Aterro da Ribeira, era necessário profissionalizar a gestão dos resíduos em São Luís, e os ecopontos vieram com essa finalidade, a partir do momento em que incluímos na rotina da nossa cidade esse importante equipamento urbano, para promovermos o descarte ambientalmente adequado de materiais passiveis de reciclagem, de reutilização, inserindo as cooperativas de reciclagem no processo, fomentando o desenvolvimento sustentável, a geração de emprego e renda e a economia circular. A iniciativa, sem dúvida, vai muito além da coleta domiciliar, pois enxerga a necessidade de pensar o beneficiamento de resíduos como um fator de sustentabilidade e de estímulo à autorresponsabilidade de todos os atores envolvidos”, observou Carolina Estrela.

Também presente ao ato de assinatura da ordem de serviço, o vice-prefeito Júlio Pinheiro destacou a funcionalidade dos ecopontos e os avanços conquistados na gestão de resíduos sólidos a partir de sua implementação. “O tratamento adequado de resíduos é, hoje, um dos grandes desafios enfrentados pelos grandes centros urbanos e São Luís tem feito sua parte, principalmente no aspecto da sustentabilidade ambiental, por meio de práticas como a criação desses equipamentos tão importantes para a superação dos problemas da deposição inadequada de lixo na cidade. Já superamos alguns gargalos críticos verificados na área, e caminhamos para fazer ainda mais para proporcionar maior qualidade de vida à população”, disse Júlio Pinheiro.

GALPÕES DE TRIAGEM

Com os cinco novos ecopontos que serão construídos e os dois galpões de triagem, a Prefeitura visa fortalecer ainda mais as ações de limpeza urbana na cidade. Os galpões de triagem serão anexos aos ecopontos do Centro e da Vila Isabel. A entrega dos galpões faz parte do eixo de fortalecimento das cooperativas de catadores de São Luís, prevista na política dos Ecopontos. Os galpões vão garantir mais dignidade ao trabalho dos catadores e evitar o desperdício de materiais recicláveis. Nesses equipamentos, as cooperativas de catadores que recebem os resíduos recicláveis dos ecopontos poderão fazer a separação adequada do material.

A presidente da Cooperativa de Reciclagem de São Luís (Coopresl), Maria José Castro, e a presidente da Associação de Catadores de Material Reciclável, Maria José Nascimento, presentes à cerimônia de assinatura da ordem de serviço, destacaram o benefício que os equipamentos proporcionaram aos catadores e enalteceram a inciativa de construção dos galpões de triagem.

“Vivemos um momento ímpar na área. O prefeito Edivaldo tem feito muito por nossa categoria. Se hoje temos estrutura e logística de trabalho, devemos ao apoio dado pela Prefeitura, o que contribuiu demasiadamente com o nosso crescimento”, disse Maria José Castro. “Enfim, ouviram nosso grito. Por anos reivindicamos por melhorias para a nossa produção. Agora, sim, podemos dizer que temos o apoio que sempre clamamos para a nossa categoria”, completou Maria José Nascimento.

Em julho deste ano, o prefeito Edivaldo anunciou também a construção de uma usina de beneficiamento de resíduos inertes – para processamento de restos da construção civil – e de um pátio de compostagem para transformação dos resíduos sólidos em novos insumos. Os projetos estão na fase de licitação para serem implantados. Com a criação também da usina e do pátio, o município avança ainda mais nesta área, contribuindo para a preservação ambiental e estimulando a geração de emprego e renda no setor.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS