CORONAVÍRUS

No Maranhão

1268
68500
43870
1645
ENCONTRO

Para Lula, pacote de reformas do PMDB pode salvar Dilma do impeachment

Lula pediu, ainda, compreensão com os erros de Dilma. Anunciou, ainda, que vai começar a viajar para defender o governo

Dez horas após admitir que a presidente Dilma Rousseff cometeu erros, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que o pacote de reformas proposto pelo PMDB pode salvar sua sucessora do impeachment. Em café da manhã com o vice Michel Temer, senadores e ministros do PMDB, no Palácio do Jaburu, Lula ouviu queixas sobre a condução do governo, elogiou a agenda apresentada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, e pediu ajuda para reintegrar à base o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
“Dilma saiu da mesmice do ajuste fiscal”, afirmou Lula, ao destacar que o pacote lançado pelo Senado apontou um novo caminho. “Agora, precisamos arrumar a nossa base, que está esfacelada.” Para Lula, a crise chegou a tal ponto que nem mesmo uma reforma ministerial – defendida por ele até o mês passado – resolveria a insatisfação entre os aliados.
Nos cálculos do Planalto, o governo conta, hoje, com o apoio de 130 dos 513 deputados e pouco mais da metade dos 81 senadores. Ministros e dirigentes do PT chegaram a sondar o próprio Lula, na semana passada, sobre a possibilidade de integrar a equipe de Dilma. “Vocês estão doidos?”, respondeu ele.
Lula vai se encontrar com Dilma somente amanhã, quando retornará a Brasília para engrossar um ato em defesa do Plano Nacional de Educação. “Eu agora vim para uma conversa entre amigos. Tenho medo de fazer reuniões e alguém pensar que eu esteja fazendo coisas paralelas”, disse o ex-presidente, no café com os peemedebistas.
Renan afirmou que o PMDB esperou uma proposta do governo por três meses, antes de apresentar a Agenda Brasil, como foi batizado o pacote de medidas para melhorar a proteção social, o equilíbrio fiscal e o ambiente de negócios. Embora contenha pontos polêmicos e rejeitados até por integrantes do governo, o pacote serviu para desviar o foco da crise.
Após o acordo do Planalto com Renan, o Tribunal de Contas da União, onde o senador tem influência, decidiu dar mais 15 dias para Dilma explicar as “pedaladas fiscais”. Se a análise do TCU fosse hoje, tudo indicava que as contas do governo de 2014 seriam rejeitadas, abrindo brecha para a abertura de um processo de impeachment contra Dilma no Congresso.
Críticas
“Tudo isso é um teatro”, reagiu Cunha, após participar de almoço que reuniu Temer e a bancada do PMDB na Câmara. “Até agora estamos vendo um jogo de espuma sem conteúdo concreto”, disse, numa referência à Agenda Brasil. Apesar de convidado, o presidente da Câmara não compareceu ao café da manhã com Lula, no Jaburu.
O ex-presidente manifestou preocupação com o isolamento do deputado, que atribuiu o envolvimento de seu nome na Lava-Jato a uma “perseguição” do Planalto. “Mais do que nunca, nós todos estamos atrás de um amplo entendimento”, disse Temer. Articulador político do Planalto, o vice prometeu a Lula se empenhar para que Cunha não destrua a base do governo.
Lula pediu compreensão com os erros de Dilma. Anunciou, ainda, que vai começar a viajar para defender o governo. “Não adianta nada percorrer o País sem uma agenda e sem arrumar a política”, disse um dos senadores. O ex-presidente concordou. Depois, afirmou que Temer estava certo ao dizer que era preciso alguém para reunificar o País. “Eu sei que me olharam enviesado, mas não retiro uma palavra do que disse”, afirmou Temer.
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias