VISITA

Dilma chega à Rússia e não comenta troca de acusações sobre golpismo

A presidente participará da abertura da cúpula dos Brics, reunião para coordenar economicamente os grandes emergentes

A presidente Dilma Rousseff chegou nesta quarta-feira, 8, ao hotel Bashkortostan no centro da cidade de Ufá, no interior da Rússia. Após pernoitar em Portugal, a presidente não falou com a imprensa, embora jornalistas a tenham questionado na portaria do hotel sobre a troca de acusações de “golpismo” entre o governo e opositores.
Dilma participará hoje de um jantar oferecido pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, aos chefes de Estado dos Brics – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Logo depois, está prevista reunião bilateral entre Putin e Dilma. Não há detalhes sobre a pauta do encontro, que será fechado à imprensa. A presidente participará da abertura da cúpula dos Brics. A reunião organizada pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, tem como objetivo estreitar as relações econômicas entre os cinco grandes emergentes, organizando a entrada em operações do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) e do Fundo Contingente de Reservas (CRA), lançados no ano passado, em Fortaleza.
A comitiva brasileira deixou Brasília na terça-feira, fez uma escala técnica em Porto, em Portugal, onde a delegação pernoitou e seguiu viagem à região centro-sul da Rússia, em que se situa Ufá.
Para o governo russo, a cúpula dos Brics é uma oportunidade de mostrar que o país não está isolado pela comunidade internacional, mesmo com as sanções impostas pelos Estados Unidos e a União Europeia em razão do conflito no leste da Ucrânia. A crise diplomática e militar deve ser evocada, assim como a turbulência da Grécia e da zona do euro – tema que no entanto não constava até a terça-feira do rascunho de declaração final que será publicada ao término do evento.
Mas o maior interesse da cúpula é a coordenação econômica e financeira entre os grandes emergentes, que enfrentam reduções em seus ritmos de crescimento ou, no caso do Brasil e da Rússia, recessões. Um dos focos de interesse será o roadmap, o projeto de estratégia de parceria econômica para áreas como investimentos em infraestrutura, comércio, energia, agricultura, tecnologia, entre outras, com iniciativas para acelerar o ritmo de crescimento.
Outro tema importante é a criação das regras de funcionamento do Fundo Contingente de Reservas (CRA), espécie de Fundo Monetário Internacional dos Brics, que disporá de US$ 100 bilhões – dos quais US$ 18 bilhões do Brasil. A outra instituição criada pelos quatro sócios dos Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), entra neste ano em fase operacional com um total de US$ 50 bilhões para financiar projetos de infraestrutura.
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias