CORONAVÍRUS

No Maranhão

1007
34639
8965
955
PEC

Câmara votará ajustes polêmicos na legislação eleitoral

Parlamentares vão analisar financiamento de campanha, reeleição, além de prazo para se desfiliar de partido sem perder o mandato

Divulgação
Na última semana, a Câmara dos Deputados aprovou, em segundo turno, o texto principal da Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que visa fazer ajustes na legislação eleitoral brasileira. Apenas 30 parlamentares votaram contra e o placar seguiu com 420 votos favoráveis ao texto da PEC. Apesar de a proposta ter sido votada, os destaques ainda serão analisados pelos parlamentares.
Alguns pontos polêmicos, infraconstitucionais, aqueles que não alteram a Constituição, que derivam de Projeto de Lei, deverão ser votado durante essa semana. “Primeiro aprovamos em segundo turno o Projeto de Emenda Constitucional, mas não completamos a votação do segundo turno, aprovamos o texto, mas ressalvados os destaques”. Vai ter destaque em praticamente todos os itens. “Cada destaque votado, para que a Câmara permaneça com o texto original, vai ser preciso de 308 votos”, disse o líder da bancada maranhense na Câmara, deputado Pedro Fernandes (PTB). Pedro Fernandes também lembrou que todas as emendas simples deverão ser rejeitadas pela Casa e fazer um acordo para serem votadas somente as aglutinativas.
Entre os pontos questionados do texto e que deverão ser alvo de debate na próxima terça- feira estão financiamento de campanha, reeleição, duração do mandato e a “janela de infidelidade”, que é um prazo para o parlamentar se desfiliar do partido sem perder o mandato.
Financiamento
O financiamento nas campanhas eleitorais foi um ponto de debate durante as votações. Pelo texto aprovado, o financiamento privado de empresas é permitido somente a partidos políticos e não mais a partido político. O candidato só poderá receber recursos de pessoa física.
O que gerou polêmica foi o fato de um texto parecido ter sido rejeitado, que permitia a doação privada para partidos e campanhas de candidatos.
Diante disso, 61 parlamentares de seis partidos (PT, PPS, PC do B, PSOL, PSB e PROS) entraram no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão da tramitação da PEC. Eles alegam que o mesmo assunto não pode ser votado duas vezes, na mesma sessão legislativa, por ser inconstitucional.
VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Notícia Boa
Checamos
Polícia
Gastronomia
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias