INVESTIGAÇÃO

Adesivos com ofensas contra a presidente Dilma serão investigados

Ministra da Secretaria de Política para as Mulheres condena material, que era comercializado na internet

Foto: Josh Adelson / AFP.


Josh Adelson / AFP

Dilma tem apenas 9% de aprovação, segundo pesquisa divulgada esta semana: insatisfação popular nas ruas

A produção e a comercialização de adesivos para carros feitos com a foto de uma mulher com as pernas abertas e o rosto da presidente da República, Dilma Rousseff, será alvo de investigação do Ministério Público Federal (MPF), da Advocacia-Geral da União (AGU) e do Ministério da Justiça. O pedido, feito na quarta-feira, partiu da titular da Secretaria de Política para as Mulheres (SPM-PR), Eleonora Menicucci. A ministra recebeu uma série de denúncias sobre a venda do produto em um site.

Para Menicucci, os adesivos lesam os direitos das mulheres, em especial. “Recebi as denúncias com muita indignação. É intolerável o material que violenta a imagem da presidente Dilma. Ele fere a Constituição ao desrespeitar a dignidade de uma cidadã brasileira e da instituição que ela representa, para a qual foi eleita e reeleita democraticamente”, afirmou por meio de nota veiculada no site da secretaria.
A ministra pediu que os órgãos instaurem, imediatamente, investigações que impeçam a produção, a veiculação, a divulgação, a comercialização e a utilização dos adesivos. Além disso, quer que sejam apuradas as responsabilidades civis e penais dos autores. De acordo com o site Mercado Livre, o anúncio do produto foi retirado do ar na quarta-feira, após a denúncia de um dos usuários, por considerar que o material poderia ser enquadrado como crime de difamação. Na página, era possível encontrar cada adesivo, de 60cm x 40cm, por R$ 34,90. O criador do material é um vendedor do Recife. Segundo a página virtual, o anunciante vende produtos pelo site há cinco anos e, enquanto esteve no ar, foram comercializados quatro exemplares do adesivo. A imagem foi amplamente compartilhada nas redes sociais, e os usuários afirmaram que o objetivo é protestar contra o aumento do preço da gasolina.
Para a professora, a iniciativa não pode ser considerada como forma de protesto. “É uma manifestação medíocre e inócua. Qualquer um que queira se manifestar politicamente contra a presidente deveria se portar de maneira mais adequada. Essa é uma forma de preconceito e de violência sexual. É algo de uma vulgaridade atroz e de violência moral profunda, além de ser uma negação em termos de manifestação política. Mostra ausência de cidadania e respeito em relação não só a presidente, mas com as mulheres brasileiras em geral”, disse Lourdes Maria.
De acordo com o site Mercado Livre, o anúncio do produto foi retirado do ar na quarta-feira, após a denúncia de um dos usuários, por considerar que o material poderia ser enquadrado como crime de difamação. Na página, era possível encontrar cada adesivo, de 60cm x 40cm, por R$ 34,90. O criador do material é um vendedor do Recife. Segundo a página virtual, o anunciante vende produtos pelo site há cinco anos e, enquanto esteve no ar, foram comercializados quatro exemplares do adesivo. A imagem foi amplamente compartilhada nas redes sociais, e os usuários afirmaram que o objetivo é protestar contra o aumento do preço da gasolina.
VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias