Com uma taxa de 29,4 mortes para cada 100 mil habitantes, o Maranhão aparece como o segundo estado do Nordeste em redução no número de homicídios em 2017, ficando atrás apenas do Piauí (20,2). Um resultado que também se destaca por ser menor que a média brasileira, que foi de 30,8 no mesmo ano. Os dados fazem parte do 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em São Paulo, no último dia 9.

De acordo com o estudo, o Maranhão também teve a segunda maior queda no número de mortes violentas entre 2016 e 2017, com uma taxa de -12,8%, ficando na quinta posição, se comparado ao restante do país. Em número absoluto, foram registradas em 2016, 2.342 Mortes Violentas Intencionais, enquanto em 2017 o número caiu para 2.055.

O cálculo é feito somando a quantidade de latrocínios, de lesões corporais seguidas de morte, mortes durante intervenções policiais e morte de policiais civis e militares (em serviço ou fora).

Brasil

No ano passado o país registrou 63.880 homicídios, o que corresponde a 175 assassinatos por dia. Destes, 55.900 foram homicídios dolosos e 2.460 resultados de latrocínios. O número de mortes durante ações policiais teve um aumento de 20% em relação a 2016, com 5.144 casos em 2017.

O estado com a maior taxa registrada em todo o Brasil foi o Rio Grande do Norte, com 68 mortes para cada 100 mil habitantes, seguido pelo Acre (63,9) e o Ceará (59,1).

Os indicadores mostram também que os estupros aumentaram 8,4% no Brasil, chegando a 60.018. Foram registrados 1.133 casos de feminicídios e 221.238 casos de violência (o que daria uma média de 606 casos por dia).

Anuário

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública compila e analisa dados de registros policiais sobre criminalidade, informações sobre o sistema prisional e gastos com segurança pública. É feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), uma organização sem fins lucrativos que tem por missão atuar como um espaço permanente e inovador de debate, articulação e cooperação técnica para a segurança pública no Brasil.