No Teatro Arthur Azevedo

Espetáculo musical sobre a obra de Chico Buarque

A direção e coreografia do espetáculo, que faz um mergulho visceral na obra de Chico Buarque, é do coreógrafo paulista Anderson Couto.

Reprodução

A obra musical do cantor e compositor Chico Buarque será reverenciada por meio do espetáculo de dança Chico, eu e Buarque, que está sendo ensaiado por bailarinos do Núcleo de Arte e Educação (NAE) do Teatro Arthur Azevedo e que tem previsão de estreia até o fi m de dezembro. A direção e coreografia do espetáculo, que faz um mergulho visceral na obra de Chico Buarque, é do coreógrafo paulista Anderson Couto. O espetáculo é composto de 17 músicas e, durante o seu processo de concepção coreográfica, foram incorporados ritmos da cultura popular maranhense como o tambor de crioula, o bumba meu boi e outros.

O Imparcial acompanhou, na última quinta-feira (21), com exclusividade, três números musicais que fazem parte do espetáculo, que é dividido em três atos, e a preparação corporal dos bailarinos com as professoras de danças de ritmos populares maranhenses Lucena Marques e Elisete Campos, que estão dando suporte ao diretor Anderson Couto. “O que estamos fazendo aqui é um laboratório de danças populares tradicionais maranhenses com estes bailarinos para servir como elemento de inspiração do bailar poético para desconstrução do movimento idealizado pelo Anderson Couto, mas que permaneça a essência da nossa cultura popular”, explicou Lucena Marques. A professora de dança Elisete Campos acrescentou que a ideia é trazer toda uma vivência desses ritmos por estes bailarinos para que eles possam, a partir dos movimentos propostos, fazer novas leituras. “Tem sido bastante gratificante contribuir com uma obra como essa inspirada nas músicas de Chico Buarque onde a cultura popular estará presente no movimento corporal dos bailarinos com um novo olhar”, disse ela.

Para dar uma dimensão do que o público pode esperar do espetáculo de dança Chico, eu e Buarque, o diretor Anderson Couto mostrou as coreografi as das músicas Construção, Geni e João e Maria. “Toda a concepção do espetáculo foi feita a partir de movimentos inspirados na sonoridade das músicas de Chico Buarque e nos exercícios físicos propostos durante o processo de preparação corporal, das experiências dos bailarinos e da minha própria experiência”, disse Anderson Couto. O coreógrafo já trabalhou em importantes espetáculos na capital paulista. Anderson Couto iniciou seus estudos como bailarino de dança contemporânea com Francisco Silva diretor e coreógrafo da Cia URZE (Universidade de São Carlos) e Jazz com Roseli Rodrigues. Integrou o Raça Cia de Dança de SP, participando de turnês nacionais e internacionais, em países como Itália, Buenos Aires, Portugal. Como coreógrafo e professor de jazz e dança contemporânea, desenvolve seu trabalho em importantes escolas de São Paulo e interior. Atualmente, é o diretor coreográfico da 188 Produtora Multicultural, coreógrafo e coordenador de eventos e shows com a cantora Wanessa Camargo. Participou do musical The Drowsy Chaperone e do projeto OSUSP- Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo, no espaço Pulsarte, convidado a coreografar a abertura ofi cial da Virada cultural São Paulo 2009, recebendo vários prêmios em importantes festivais. Atualmente, integra sua própria cia de dança, a “Cinque Sensi”.

 

 

MOSTRAR MAIS