identidade

Transgêneros: o desafio de ser quem se é

Almas femininas presas em corpos masculinos e vice-versa: entenda o que é ser transgênero

Reprodução

O termo é novo e ainda causa muita dúvida, além de ser “pano para muita manga”, como afirma o dito popular. Ultimamente, graças à mídia de uma forma geral, cada vez mais pessoas têm discutido e tentado entender o que significa a expressão “transgênero”. Bem, o termo pode até ser bem recente, mas essa busca incessante à própria identidade é muito mais antiga do que se possa imaginar.

Em uma definição bastante resumida, é possível compreender o ser transgênero a partir de uma simples atitude: parar em frente a um espelho e não reconhecer o próprio reflexo. É assim que se sente Ivana, personagem interpretada pela atriz Carol Duarte na novela A força do querer, da TV Globo. Hábitos estimulados pela família, como usar vestidos, sapatos de salto alto e maquiagem, deixam-na muito desconfortável. E os conflitos não param por aí: o próprio corpo lhe parece inadequado. A filha da personagem Joyce, interpretada por Maria Fernanda Cândido, só começa a descobrir a natureza da questão após muitas sessões de terapia. Com essa orientação profissional, ela é capaz de entender que a biologia (sexo feminino) não está de acordo com o gênero (que, na verdade, é masculino). Ou seja: Ivana é um homem transgênero.

Gênero

Quem determina se uma pessoa é do sexo masculino ou feminino é a natureza, mas a maneira como nos comportamos e nos sentimos é assimilada ao longo da vida. Por exemplo: se um menino brinca com uma boneca e é repreendido por alguém que associa essa brincadeira à “coisa de menina”, esse garoto tem os contornos do próprio gênero delimitados pela sociedade. “As diferenças entre homens e mulheres não são totalmente naturais, mas sim influenciadas pelo convívio social”, explica a psicóloga Sarah Lopes, especialista em sexualidade da rede Hapvida Saúde.

Apesar disso, nada impede alguém do sexo feminino de se identificar mais com o comportamento esperado para um homem. Portanto, o gênero é o resultado da junção de dois fatores: como a pessoa se percebe e como ela se expressa. Em geral, na nossa construção social, diz-se que existem dois gêneros: o masculino e o feminino. “Mas já há autores que questionam essa dualidade e concluem que novas formas de expressão são possíveis.

Sexualidade

Se Ivana se identifica com o gênero masculino, então, ela gosta de mulheres, certo? Nem sempre. Tanto é que, mesmo após iniciar a transição de sexo (mudança de sexo), Ivana continuará apaixonada por Cláudio, personagem do ator Gabriel Stauffer. A terapeuta, nesse processo, vai ajudar Ivana a entender que, caso ela continue com a mudança, vai se tornar um homem transgênero gay. “A sexualidade é uma necessidade básica do ser humano. Ela se revela pelo desejo de receber e expressar afeto, não somente pela relação sexual propriamente dita, mas pela troca de carinho, pelo toque, pelo afeto mesmo”, esclarece a psicóloga.

É por causa da sexualidade que as pessoas se motivam a encontrar o amor e a intimidade. Assim como existem homens e mulheres homo e bissexuais, também há homens e mulheres trans que se interessam por pessoas do mesmo gênero ou por ambos os gêneros.

Vida real

Durante a pesquisa para escrever a novela, a autora Glória Perez pediu a ajuda de transgêneros, como Tarso Brant, que surpreendeu a atriz Carol Duarte com relatos impactantes. A sintonia foi tanta que o ator de 24 anos ganhou um papel na novela para interpretar um amigo de Ivana que vai ajudá-la na transição. “Eu me identifiquei com várias cenas de Ivana, principalmente, quando ela bate nos seios. Isso me emocionou, pois passei por tudo aquilo”, confessou Tarso em entrevista ao portal de entretenimento GShow.

Preconceito

Se já é difícil passar por tantas dúvidas e descobertas, imagine tudo isso com um pai ou uma mãe controladora como a própria Joyce (Maria Fernanda Cândido)! “Muitos transgênero não se abrem com parentes ou pessoas próximas por acharem que eles não entenderiam essa condição”, afirma Sarah Lopes. Por isso mesmo, a presença dos pais tem um peso e tanto nessa fase de descobrimento.

O primeiro passo é estar de ouvidos e olhares atentos ao que os filhos dizem e fazem. Ou seja: fazer exatamente o contrário do que faz a socialite na novela, impondo que a filha satisfaça as próprias vontades da mãe sempre. Quem vive essa experiência pode ter muita dificuldade em expressar sentimentos, já que, no início, muitos não compreendem o que acontece. Aí, o acompanhamento de um psicólogo qualificado e preparado para lidar com essas questões faz toda a diferença.

MOSTRAR MAIS