Economia

Inflação fecha 2016 em 6,29%, abaixo da meta estabelecido pelo CMN

O resultado abaixo das previsões de mercado foi alcançado em decorrência de uma alta da inflação em dezembro também abaixa das projeções.

Por: Correio Braziliense
ABR
Foto: Reprodução

A inflação em 2016 ficou abaixo do teto da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de 6,5%. No ano, os preços subiram, em média, 6,29%, segundo dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgados nesta quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado também surpreendeu o mercado, que previa uma mediana de 6,35%.

O resultado abaixo das previsões de mercado foi alcançado em decorrência de uma alta da inflação em dezembro também abaixa das projeções. No último mês de 2016, o IPCA registrou crescimento de 0,30% – inferior ao 0,36% esperado pelos agentes financeiros. Embora o resultado tenha superado os 0,18% de novembro, o desempenho foi mais baixo para o mês desde 2008.

A principal contribuição em dezembro para conter um avanço maior da inflação veio dos gastos com habitação, que caíram, em média, 0,59%. O impacto mais relevante para esse movimento de queda veio da média de despesas com energia elétrica, que recuou 3,70%. O IBGE atribuiu a queda à volta da bandeira tarifária verde em 1º de dezembro, em substituição à amarela, que implicava em custo adicional de R$ 1,50 por cada 100 kilowatts-hora consumidos.

Os alimentos, no entanto, não ajudaram a inflação a ficar menor. Em média, os gastos com alimentação e bebidas subiram 0,08%. Acima da queda de custos de 0,20% registrada em novembro. A pressão em dezembro veio dos desembolsos com arroz, que subiram 0,21%, das carnes (0,77%) e das frutas (3,39%).

Demanda

A inflação abaixo do teto da meta já era prevista pelo mercado. Há um mês, a mediana das projeções era de 6,52%. O custo de vida observado em 2016 reforça, na avaliação de analistas, que o IPCA em 2017 possa ficar até abaixo da projeção atual de mercado, de 4,81%. Para o economista-sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fábio Bentes, a trajetória de desaceleração está sofrendo impacto direto da falta de gastos na economia. “Os preços estão caindo porque não há demanda. A percepção que tenho é que 2018 já está no horizonte”, disse.

Assis Filho toma posse de secretaria

Francisco de Assis Filho teve seus bens bloqueados em investigação de um suposto esquema de funcionários fantasmas

Trump dispara contra OTAN e UE

Presidente eleito dos Estados Unidos também acredita que mais países sairão da União Europeia

Setor hoteleiro está otimista

Praias limpas e as mais de 200 rotas áreas que chegam ao Maranhão animam donos de hotéis

Maranhão com mais 7 defensores públicos

Mais de 4 milhões de maranhenses são atendidos pela Defensoria Pública Estadual (DPE)

Acidente mata cinco pessoas na BR-010 sendo três crianças

A PRF culpou a má condição da rodovia pelo acidente

Ferrovias seriam solução para o Itaqui, diz especialista

Com transporte ferroviário os custos de logística poderiam cair 38% por tonelada

Projeto incentiva o cultivo de sururu em Bequimão

Mais de 30 habitantes do povoado já foram capacitados no manejo e cultivo de moluscos

Municípios maranhenses receberão ônibus escolares

Os veículos foram adquiridos em parceria com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e serão doados às prefeituras

SENAI abre vagas para curso grátis

O objetivo foi formar mão de obra qualificada, que possa ser empregada pela própria concessionária ou por empresas parceiras que atuam em suas obras

Obra da Odebrecht em 'Paço' é embargada

Segundo a prefeitura, a obra estava sendo executada sem sem solicitação à prefeitura, sem apresentação de projetos e sem pagamento de tributos

VEJA MAIS