Foto: Reprodução

Por volta de 20 anos atrás as crianças brincavam pelas ruas, inventavam brincadeiras imaginárias, sempre à procura de algo para distração. Com o passar dos tempo,  as coisas foram mudando e as crianças estão cada vez mais focadas nas tecnologias e inovações da atualidade. Antes sonhavam em ter uma bicicleta, bonecos, ou qualquer brinquedo para entreter, hoje sonham em ganhar um tablet ou smarthphone.

A terapeuta Cris Rowan acredita que o aumento de distúrbios físicos, psicológicos e comportamentais estão relacionados ao uso excessivo da tecnologia, afetando no desenvolvimento dos sistemas sensoriais, resultando em atrasos na obtenção dos marcos do desenvolvimento infantil. Revelou também que são quatro fatores críticos para as crianças alcançarem o desenvolvimento saudável: o movimento, o toque, a conexão humana e a exposição à natureza.

“As crianças agora confiam na tecnologia para a maioria de suas brincadeiras, limitando enormemente os desafios à sua criatividade e imaginação, assim como limitando os desafios necessários a seus corpos para alcançar o desenvolvimento sensorial e motor ideal.” Disse a terapeuta.

Os diagnósticos de TDAH, autismo, distúrbios de coordenação, atrasos no desenvolvimento, fala ininteligível, dificuldades de aprendizagem, transtorno do processamento sensorial, ansiedade, depressão e distúrbios do sono estão associados ao uso excessivo da tecnologia e estão aumentando a um ritmo alarmante.

Deve existir um balanceamento no uso dessas tecnologias, tudo em excesso gera uma consequência, assim como esses problemas estão se desencadeando com abundância em razão que as crianças estão se exercitando e instigando sua criatividade cada vez menos, isso afeta gravemente no desenvolvimento.

A tecnologia tem seus benefícios, é uma ferramenta de conhecimento instantâneo, é um meio de comunicação prático e há diversos pontos positivos. No entanto, os pais devem esclarecer aos filhos sobre os perigos da internet, afinal nesse meio é comum existirem pessoas mal intencionadas que podem se aproveitar da inocência da criança.