NA PASSARELA

Umbanda, romaria e fofões

As escolas de samba Unidos de Fátima, Turma de Mangueira e Império Serrano prometem impactar o público presente com seus temas carnavalescos para este ano na Passarela do Samba do Anel Viário

Reprodução

As escolas de samba Unidos de Fátima, Turma de Mangueira e Império Serrano prometem impactar o público presente com seus temas carnavalescos para este ano na Passarela do Samba do Anel Viário.

A Escola de Samba Unidos de Fátima vai homenagear o bairro da Liberdade, seus cultos e sua descendência afro.

O bairro, que recentemente recebeu a indicação para ser quilombo urbano, será retratado no tema da escola deste ano com a homenagem ao pai de santo mais famoso do bairro, Airton Gouveia, e, segundo os diretores da escola, do mundo. O tema “O Menino Rei e a Saga do Guerreiro de Ogum – Pai Airton da Liberdade” foi proposto pela importância que tem o babalorixá para a história da umbanda, para a história dos cultos religiosos dos quais ele representa”, comentou o intérprete, compositor e sambista Ribão D’Oludô.

Com pelo menos 2 mil integrantes, a escola vai desfilar com quatro carros alegóricos, 14 alas, além de comissão de frente, ala de baianas, bateria e demais componentes. A Escola acredita que será um grande espetáculo da umbanda dentro do carnaval. “Teremos os povos de terreiro da umbanda fazendo um grande axé na passarela do samba, e além das várias novidades que vamos apresentar, vamos trazer a Rainha de Bateria, Regina Explosão, musa da União da Ilha do Governador do Rio de Janeiro, para abrilhantar ainda mais a escola e todo o carnaval”, diz o puxador oficial e também presidente da escola, Ribão.

A escola também vai homenagear o artista plástico Newton Muniz, carnavalesco que estava desenvolvendo o enredo da escola de Samba Unidos de Fátima, mas que faleceu no ano passado.

A escola foi campeã pela primeira vez em 1991, repetindo o título em 1994. No ano passado a Unidos de Fátima ficou na nona colocação no carnaval com o tema “Do big bang ao arco-íris uma explosão de alegria”, reeditado do carnaval do ano de 2008.

A história e alegria dos fofões

O fofão, o personagem fanfarrão e mais tradicional do carnaval de rua de São Luís foi a pesquisa escolhida para o desfile do carnaval deste ano da Escola de Samba Turma de Mangueira, sediada no João Paulo.

A escola, fundada em dezembro de 1929, escolheu o tema Pela mente de um fofão: uma viagem aos antigos carnavais.  “Achamos interessante porque nenhuma escola contou essa história do fofão da forma que vamos contar, desde o surgimento, antigos carnavais de rua e de clubes tradicionais e que marcaram época como Lítero, Jaguarema, Casino. Vai ser uma viagem a esse personagem que é tão importante no carnaval de São Luís”, disse a coordenadora geral do carnaval Cidália Costa.

Cerca de 1.500 integrantes irão participar do desfile, divididos em 16 alas e acompanhados por quatro carros alegóricos.

A escola é a mais antiga do estado, fundada em 25 de dezembro de 1928. No ano passado a escola ficou em quarto lugar com o tema “No jubileu de álamo Oxóssi recebe o panteão dos orixás no xirê da mangueira”. O presidente da escola é Itamilson Lima.

Tem Romaria no Carnaval

A escola verde e branco do Monte Castelo vai levar a emoção das romarias maranhenses para a avenida. A Império Serrano, fundada em 5 de outubro de 1956, fez um carnaval no ano passado sobre Ana Jansen, suas histórias e lendas e ficou em sexto lugar.

Este ano a Império Serrano vai desfilar com o enredo: Romarias do Maranhão, um Império de Fé, prestando uma homenagem ao cristianismo através das romarias e romeiros do Estado do Maranhão e suas peregrinações originadas nos tempos antigos e que se repetem na era contemporânea de forma enraizada na cultura do povo brasileiro e maranhense. “Dando ênfase às festas mais populares, ou seja, a de Nossa Senhora da Conceição (Monte Castelo), Nossa Senhora de Nazaré (Cohatrac), São Raimundo Nonato dos Mulundus (Vargem Grande) e São José de Ribamar padroeiro do Maranhão (município do mesmo nome). Desenvolver esse enredo sem sombra de dúvidas será uma grande honra para nossa entidade carnavalesca, pois é um tema forte, cultural, que conta a história de um povo que repete um ato desde os tempos antigos até os dias atuais, tornando vivo um ritual de fé que movem a humanidade”, diz a organização da escola.

A escola deve desfilar com 1.200 integrantes distribuídos em 20 alas.  O enredo foi desenvolvido pelo carnavalesco Wilson Bozzó, com pesquisa de Nayla Viana e colaboração de Nélio Silva e Wilson Bozzó. A presidência da escola é de Nélio Silva.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS