Ensino Médio

Bilinguismo: uma porta aberta para o mundo

Falar mais de uma língua traz inúmeros benefícios para crianças e jovens atualmente

Reprodução

Interação, participação e descoberta são características bem conhecidas do pequeno Arthur de 5 anos, que participa atentamente das aulas e não sente dificuldades com a língua estrangeira, afinal, no universo dele, a vida tem dois idiomas. “O Arthur desenvolve com muita maestria e naturalidade o domínio da língua inglesa, bem como o português. Além de estimulá-lo às atividades culturais, ele desenvolveu o interesse pela leitura. Isso nos deixa muito satisfeitos”, reconhece Mirela de Oliveira, mãe do Arthur.

Fora os inúmeros benefícios de apreender uma segunda língua, o destaque no mercado de trabalho é outro ponta importante. Segundo dados da Associação Brasileira do Ensino Bilíngue (Abebi), nos últimos cinco anos, a procura cresceu e o mercado de escolas bilíngues no Brasil expandiu-se a índices entre 6% e 10%. A procura é compreensível, afinal, transitar por duas línguas, além de dispensar intérpretes, tem efeito profundo no modo como pensamos e agimos. Mesmo conhecendo a necessidade da qualificação, aprender o idioma inglês depois de adulto não é uma tarefa fácil. Já para as crianças a aprendizagem de um segundo idioma ainda nos primeiros anos de vida é natural. “As crianças aprendem o segundo idioma como aprendem a língua materna, de maneira natural, respeitando certos estágios como ouvir, compreender, falar, ler e escrever. Por esse motivo o aprendizado é mais fácil”, conta Ingrid Grill, diretora geral e pedagógica da Maple Bear, escola pioneira no ensino bilíngue em São Luís.

Quando falamos de bilinguismo na infância, nos deparamos com benefícios bem maiores que a formação de crianças fluentes em dois idiomas. De acordo com estudos realizado pela Montreal, no Canadá, e da Universidade Nacional de Cingapura, crianças bilíngues mostram-se melhores na capacidade de resolver tarefas. “Não temos dúvidas que o bilinguismo melhora várias funções mentais importantes e incrementa habilidades sociais. Percebemos esses benefícios em nossas crianças, que desde muito pequenas, são encorajadas a desenvolver o amor pelo aprendizado, posicionando-se como agente fundamental nesse processo, tendo o professor apenas como facilitador no percurso de aprendizagem e descoberta”, esclarece Nathalia Pereira, coordenadora de tutoria e relacionamento da Maple Bear São Luís.

“Memórias, valores e até a personalidade podem se modificar dependendo da língua que usamos, como se o cérebro bilíngue abrigasse duas mentes autônomas. A experiência intelectual da pessoa com dois sistemas linguísticos amplia sua flexibilidade mental e produz um leque superior na formação e expressão de conceitos, pois o cérebro bilíngue está sempre ativo nas duas línguas e o exercício de eleger uma e não a outra fortalece a mente”, pontua.

Hoje, aluno do 9ª ano do ensino fundamental da unidade São Luís, Gael Mendes é um dos grandes exemplos de crescimento e desenvolvimento na escola. “O Gael foi um dos primeiros alunos da escola e quando chegou se encantou logo de cara.  Hoje, com 14 anos, vejo como meu filho cresceu e se desenvolveu na língua. Não tenho dúvidas que minha decisão foi essencial para o crescimento pessoal e intelectual do meu filho”, declara Lara Mendes, mãe do jovem estudante.

Com quase dez anos na escola bilíngue, Gael será um dos alunos a estudar no Maple Bear High School em São Luís. Pioneiro na capital, o ensino médio da Maple Bear contará com dupla certificação, uma brasileira e outra do canadense. “Assim com essas certificações, os alunos que se graduarem nas disciplinas do Ensino Médio canadense terão a mesma oportunidade que alunos do Canadá e internacionalmente na educação superior”, conta a diretora geral da Maple Bear São Luís. Para Lara Mendes essa é a chance de ver o filho crescer ainda mais. “Saber que ele terá a chance de cursar o ensino médio na mesma instituição que deu os primeiros passos é reconfortante”, reconhece.

Baseado na Lei de Diretrizes e Base Escolar brasileira o High School da instituição irá oferecer todas as disciplinas necessárias para que os alunos possam prestar os melhores vestibulares e ter excelentes desempenhos no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). “Ao mesmo tempo, incluímos a matriz curricular canadense, dentro da metodologia que diferencia a Maple Bear de outras escolas, tratando o bilinguismo de forma peculiar. Em nossa escola isso se estende para além do idioma: mostra-se na cultura, no conhecimento de outro país e de outras realidades”, esclarece Ingrid. A diretora explica ainda que as portas da Maple Bear São Luís também estão abertas para receber alunos de outras instituições. “Os alunos que tiverem interesse em cursar o High School na Maple Bear serão muito bem recebidos. O importante é que esse aluno já tenha um certo nível de inglês, que será avaliado e analisado.

Visita ao Jornal

Nesta segunda-feira (29), as representantes da Maple Bear realizaram uma visita de cortesia ao Jornal O Imparcial para reforçar o convite para o lançamento da High School da escola.

Durante a visita, o diretor-presidente do Grupo O Imparcial, Pedro Freire, conversou com a diretora da escola e tirou uma série de dúvidas sobre o novo projeto da Maple Bear.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias