EDUCAÇÃO

Maranhão tem mais de 400 grêmios estudantis na rede estadual

Em 2015 eram trinta e três agremiações; programa incentiva protagonismo escolar

Alunos do CE Maria José Aragão (Reprodução)

Lugar de aluno não é apenas na sala de aula. É também na gestão escolar. Assim defendem as escolas públicas da rede estadual de ensino do Maranhão, que incentivam, por meio do Programa Mais Grêmios da Secretaria de Educação (Seduc), o protagonismo juvenil como agente de mudança social.

Para se ter uma ideia, em 2015 eram 33 grêmios estudantis. Atualmente, são mais de 400 nas escolas estaduais do Maranhão. Grêmio estudantil é, por definição, um grupo de estudantes da mesma escola que se organiza para identificar e debater os problemas e demandas dos alunos com o objetivo de avançarem suas reivindicações em um exercício de promoção dos seus direitos.

“A importância do grêmio é que os alunos têm mais voz nas ações da escola. E a mudança é que os alunos estão mais envolvidos em todos os movimentos que a escola promove. O grêmio aproxima os estudantes da gestão escolar, além de incentivar o protagonismo”, conta Ailson Rodrigues, presidente do grêmio do Centro de Ensino Integral Tancredo de Almeida Neves, em Imperatriz.

Em junho de 2018, o Governo do Estado promoveu um grande encontro de lideranças estudantis. Mais de 400 presidentes de grêmios estudantis de todo o estado se reuniram no Emaranhando Sonhos, mobilizando mais de 5,4 mil estudantes da rede pública estadual de ensino nas 19 Unidades Regionais de Educação (UREs).

“Podemos colocar o Emaranhando Sonhos como resultado de um trabalho iniciado em 2016 com a caravana estudantil. Em 2017 tivemos as escutas aos estudantes e em 2018 tivemos o primeiro encontro de grêmios estudantis”, explica Jhonatan Soares, supervisor de Juventude da Seduc.

Segundo Soares, Mais Grêmios é um programa de acompanhamento e formação contínua. “É uma importante ferramenta de formação política e de cidadania para nossos estudantes, tornando eles fundamentais para a atuação da gestão democrática e fazendo de nossos jovens agentes sociais”, defende o supervisor.

Para Israel Magalhães, presidente do grêmio do Colégio Estadual Liceu Maranhense, os grêmios mudam a vida dos estudantes, pois a partir do momento que o jovem vira gremista, ele tem uma responsabilidade, um compromisso com os alunos da instituição onde ele estuda. “Eu, como presidente de um Grêmio que luta pelos direitos dos estudantes, pela qualidade de ensino e por mais inclusão social dentro da escola, posso afirmar que é uma preparação para a vida”, pontua o estudante.

VER COMENTÁRIOS
COLUNAS E OPINIÃO
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias