Almerice da Silva Santos, ou, simplesmente, Dona Teté. O grande nome do cacuriá, manifestação cultural maranhense, completaria 94 anos nesta quarta-feira, 27.

Dona Teté faleceu em dezembro de 2011, aos 87 anos, vítima de um AVC, mas deixou legado imensurável e permanece até hoje no imaginário e nos corações dos maranhenses.

Confira agora cinco curiosidades sobre este grande ícone!

Dona Teté aprendeu a tocar caixa ‘escondida’

Dona Teté nasceu no bairro do Batatã, no Coroadinho, região cheia de cultura. Aprendeu a tocar Caixa do Divino aos oito anos de idade, mas, como ninguém da sua família gostava de participar de manifestações culturais, pulava a cerca do quintal de casa para ir até a residência da vizinha, onde aproveitava as festas populares.

Teve uma história de muita luta

O ícone da cultura maranhense foi criada com a avó paterna e a madrinha, pois perdeu a mãe aos quatro anos de idade e o pai aos 14. Começou a trabalhar como empregada doméstica aos 12 anos de idade, e estudou apenas até a 1ª série do ensino fundamental.

Dona Teté, ícone do cacuriá maranhense.

Só começou a vida artística aos 58 anos

Você sabia que a vida artística de Dona Teté enquanto mestre só teve início aos 58 anos? Após passar décadas no Cacuriá de Seu Lauro, ela foi convidada pelo Laboratório de Expressões Artísticas (Laborarte) para ensinar o toque da caixa. Foi aí que surgiu o Cacuriá de Dona Teté.

Foto: Reprodução

O legado de Dona Teté continua ainda após sua morte

Mesmo após o falecimento de Dona Teté, em 2011, o grupo continuou suas atividades e segue forte. Hoje, é representado por Rosa Reis, coordenadora do Laborarte. Em entrevista concedida à TV Imparcial, Rosa ressaltou a importância de dar seguimento ao legado. “Pra mim é super importante estar levando à frente um dos símbolos mais fortes do estado e da cultura do Maranhão, que são as Caixeiras. Estar ali tocando caixa do Divino Espírito Santo, cantando, e levando essa alegria e irreverência que Dona Teté passou pra gente é magnífico”, comentou.

Dona Teté tem alguns dos maiores hinos da cultura maranhense

Se você acompanha minimamente a cultura maranhense e as festividades juninas, deve ter na ponta da língua alguns dos grandes hinos entoados por Dona Teté. Alguns exemplos são “Choro da Lera”, “Jabuti/Jacaré Poiô”, “Ladeira”, “Mariquinha”, entre tantas outras músicas. Relembre a voz icônica de Dona Teté!