Música brasileira

Músicos e instrumentistas celebram o Dia Nacional do Choro

O evento ocorre hoje, às 19h, na Escola de Música do Maranhão e tem como homenageado o chorão maranhense Zezé Alves

Reprodução

Uma grande Jam Session reunirá esta noite os grandes entusiastas do choro. Como já é tradição nos calendários musical e cultural de São Luís, o Dia Nacional do Choro será comemorado em homenagem ao nascimento de Alfredo da Rocha Vianna Filho, o Pixinguinha (23/4/1897-17/2/1973), um dos mais importantes nomes do gênero e da música brasileira.

A data é celebrada a cada 23 de abril, e a comemoração deste ano foi antecipada para hoje, às 19h, pela Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Emem), que promove a festa em homenagem ao gênero musical. O evento ocorrerá no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande.

Como em anos anteriores, a iniciativa homenageará um chorão local. Este ano, será o músico Zezé Alves, conhecido no meio artístico carinhosamente pelo apelido Zezé da Flauta. Zezé Alves é professor da Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo e começou a tocar profissionalmente aos 22 anos.

O músico é considerado uma das referências da música instrumental maranhense. Zezé Alves iniciou a carreira em 1977, quando participou de um show chamado Boca do Lobo, do cantor e compositor Sérgio Habibe, ao lado dos músicos Joaquim Santos e Ronald Pinheiro.

Alves também integrou o grupo Rabo de Vaca, idealizado pelo cantor Josias Sobrinho, participou da gravação do disco Choros Maranhenses (2006) do Instrumental Pixinguinha, e do Caderno de Partituras [2012], ambos lançados com a missão de registrar a produção dos chorões maranhenses.

Para quem não sabe, Zezé Alves foi um dos fundadores do Instrumental Pixinguinha. Ele já era professor da Escola de Música do Maranhão, quando o violonista Marcelo Moreira, o bandolinista Raimundo Luiz, e também o músico Francisco Padilha, que foi diretor da Escola, tiveram a ideia de criar um núcleo de música popular que tivesse o choro, que é uma música genuinamente brasileira, com raiz no samba. Daí nasceu o Instrumental Pixinguinha.

O grupo, hoje formado por João Neto (flauta transversal), Raimundo Luiz (bandolim), Juca do Cavaco (cavaquinho), Domingos Santos (violão de 7 Cordas) e Nonato Oliveira (percussão), se apresenta há mais de duas décadas em espaços artísticos de todo o país e será o anfitrião da festa que contará com a participação de vários músicos maranhenses. No repertório, estão clássicos do chorinho, com destaque para músicas de mestres como Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth e Pixinguinha.

Choro: o ritmo genuinamente brasileiro

O choro é um gênero musical nascido e desenvolvido na cidade do Rio de Janeiro, quando esta passa por inúmeras transformações fundamentais para a história do Brasil, entre elas, a inquietação que se segue à Guerra do Paraguai (1864-1870), que levaria à abolição da escravidão, à instituição do regime republicano, a reformas urbanas e a grandes transformações culturais. Chiquinha Gonzaga (1847-1935), Pixinguinha (1897-1973), Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e Jacob do Bandolim (1918-1968) são nomes famosos que participaram dessa história, mas há muitos outros.

Quem foi Pixinguinha?

Alfredo da Rocha Vianna Júnior nasceu em 23 de abril de 1887. Cedo dedicou-se à música e deixou um legado de inúmeros clássicos, arranjos e interpretações magistrais, como flautista e saxofonista. Carinhoso, Lamento, Rosa, 1 x 0, Ainda Me Recordo, Proezas de Solon, Naquele Tempo, Os Oito Batutas, Sofres Porque Queres, Fala Baixinho e Ingênuo estão entre algumas de suas principais composições. O apelido Pixinguinha veio da união de pizindim – menino bom –, como sua avó o chamava, e bexiguento, por ter contraído a varíola, que lhe marcou o semblante.

Serviço

O quê? Homenagem ao Dia Nacional do Samba.
Quando? Hoje, às 19h,
Onde? No Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande.
Quanto? Aberto ao público

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS