Produção Maranhense

Documentário Mulheres que Transformam a Ilha é disponibilizado na internet

O documentário maranhense foi lançado no dia 30 de janeiro e conta a história de empreendedoras que geram desenvolvimento e impacto social positivo em São Luís

Reprodução

Depois de ser lançado em sessões gratuitas em São Luís e São Paulo, o documentário Mulheres que Transformam a Ilha agora está disponível também na página do projeto Su Casa, Mi Causa​ ​no Youtube.

A última exibição para o público aconteceu no último dia 18 de abril, no Campus São Paulo, na capital paulista. Empreendedores e ativistas do terceiro setor compareceram ao evento que contou ainda com um bate-papo mediado pela produtora do documentário e criadora do Su Casa, Mi Causa​, Monique Moraes. Participaram ainda a diretora da Ashoka Brasil, Mirella Dominich, a coordenadora da produtora paulista A Banca, Fabiana Ivo, e a empreendedora Liliane Jacinto, da também paulista Plana Turismo de Experiência.

Veja Também

“Documentários como esse são muito importantes, pra gente mostrar que realmente há desafios para o empreendedorismo social feminino, mas que há também muita perspectivas para que mulheres empreendam pessoalmente”, avaliou Mirela Dominich, diretora da Ashoka Brasil, organização global sem fins lucrativos que trabalha na geração de redes entre outras organizações que atuem em causas sociais.

Mulheres que transformam a Ilha conta a história de empreendedoras sociais da capital maranhense, que protagonizam iniciativas que geram impacto social positivo em suas comunidades. Em 30 minutos de projeção, elas partilham seus sonhos e dificuldades ao lado de especialistas que analisam o papel da mulher à frente empreendimentos sociais hoje.

Sobre o Su Casa, Mi Causa

A produção é do projeto Su Casa, Mi Causa​, da empreendedora maranhense Monique Moraes, que tem como missão divulgar e promover iniciativas de impacto social positivo. Também participaram da produção mais 3 mulheres: Quilana Viégas, fotógrafa e produtora da Arroz de Cuxá Produções (MA); Ingrid Barros, fotógrafa, advogada e editora do site Sobre o Tatame (MA); e Luiza Fernandes, jornalista e produtora da Mirima Produções (SP).

“Acredito que é importante agora, que o projeto completa um ano, poder entregar um trabalho que concretiza o que nos propomos desde o início, que é contar histórias de empreendedores sociais. Mais ainda por contar a história de mulheres da nossa cidade, de onde o projeto nasceu, do Nordeste como exemplo para outras mulheres”, destacou Monique.

Para a estudante Gabriela Feola, que pesquisa comunicação e educação com foco na sexualidade, a relevância do documentário está em apresentar as mulheres sem estereótipos. “O legal é trazer a imagem da mulher real brasileira, que não é a mulher que está à frente das palestras sobre feminismo e empreendorismo, que talvez não se veja nesses espaços, mas é justamente ela que está lá na base”, concluiu a estudante.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS