LITERATURA MARANHENSE

Livro de Josué Montello será relançado em São Luís

Primeiro livro escrito pelo imortal maranhense para crianças e jovens, Tesouro de D. José e outros contos, ganha uma nova edição e vai ser lançado nesta terça-feira, 30

Montello faleceu aos 88 anos, em 2006 (Foto: Reprodução)

Quando se fala no escritor maranhense Josué Montello, a primeira referência que vem à cabeça de muitos é a lembrança do autor de clássicos da literatura brasileira como Os tambores de São Luís ou Cais da Sagração, obras que eternizaram uma São Luís que não existe mais. Mas poucos conhecem outra faceta do escritor que também escreveu para crianças e jovens, e que somente agora ganha visibilidade com o lançamento de uma nova edição do livro O tesouro de D. José e outros contos, amanhã, a partir das 18h30, na Casa de Cultura Josué Montello. Obra lançada originalmente em 1944 que até então estava distante do grande público.

O tesouro de D. José e outros contos, que está sendo publicado pela editora Mercuryo Jovem, reúne sete encantadoras narrativas e conta com apresentação de Arnaldo Niskier, da Academia Brasileira de Letras (ABL). A obra, organizada pelo jornalista e escritor Wilson Marques e ilustrada pela artista Paola Brunelli, faz parte das comemorações pelos cem anos de nascimento do autor, realizadas no ano passado com palestras, concurso, exposições e lançamento de livros, promovidas pelo governo do estado por meio da Casa de Cultura Josué Montello, em parceria com a Casa do Autor Maranhense e apoio da Cemar.

Segundo o jornalista e escritor Wilson Marques, o lançamento deste livro é muito importante porque resgata a memória de uma das primeiras obras de Josué Montello lançada no início de sua carreira como escritor e que já havia caído no esquecimento. “Esta obra quase cai no esquecimento. Hoje, o que se tem deste livro na Casa de Cultura Josué Montello é uma cópia do original em xerox. Ninguém sabe onde tem o livro original que foi lançado há quase 70 anos. Nem a família de Josué Montello tem um exemplar original. Acredito que este deva ser um dos primeiros registros literários dele e que deve ter tido uma edição muito limitada, tornando-se uma raridade para quem o tiver”, explicou Wilson Marques.

Wilson Marques acrescentou ainda que Josué Montello tem cerca de 10 livros para jovens leitores, e que conhece parte deles. Mas o que lhe motivou em especial abraçar este projeto como organizador foram dois motivos: o primeiro porque ajudou a preservar e a popularizar uma obra que quase não existia mais. O segundo foi por conta da qualidade literária do texto de Josué Montello, que em sua essência traz o chamado “maravilhoso”, expressão usada no universo dos grandes escritores que está relacionada ao encantamento da forma de escrever. “Foram estes dois aspectos que me chamaram bastante a atenção. A qualidade que Josué Montello impunha em uma obra como esta jamais poderia passar despercebida. Não se poderia pegar um livro deste e organizá-lo de qualquer forma. Ele merecia um tratamento especial”, explicou o organizador da publicação.

Wilson Marques acredita que O tesouro de D. José chega em boa hora, quando a produção literária maranhense para crianças e jovens passa por um momento de crescimento e afirmação. De acordo com o escritor, “pela sua beleza e qualidade literária, esta é uma publicação que, entre outros méritos, certamente contribuirá grandemente para o fortalecimento dessa produção, que tem muito a oferecer”, disse Wilson Marques.

Sobre Josué Montello

Josué de Sousa Montello nasceu em São Luís, em 21 de agosto de 1917, e faleceu no Rio de Janeiro, em 15 de março de 2006. O maranhense foi jornalista, professor, teatrólogo e um dos mais importantes escritores do Brasil. Em 1954, foi eleito para a cadeira 29 da Academia Brasileira de Letras, sucedendo a Cláudio de Sousa.

Até a sua morte, era o integrante mais antigo da Academia. Trabalhou como diretor da Biblioteca Nacional, do Museu da República e do Serviço Nacional de Teatro, escreveu para a revista Manchete e o Jornal do Brasil, além de trabalhar no governo do presidente Juscelino Kubitschek.

Entre suas obras, destacam-se Os tambores de São Luís, de 1965, a trilogia composta pelas novelas Duas vezes perdida, de 1966, e Glorinha, de 1977, e pelo romance Perto da meia-noite, de 1985. Obras de Josué Montello foram traduzidas para o inglês, francês, espanhol, alemão e sueco.

Algumas de suas novelas foram roteirizadas para o cinema; em 1976, Uma tarde, outra tarde recebeu o título de O amor aos 40, e em 1978, O monstro foi filmado como O monstro de Santa Teresa.

Morreu em março de 2006, vítima de insuficiência cardíaca. Encontrava-se internado na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, há mais de um ano, para tratamento de problemas respiratórios. O corpo foi velado na Academia Brasileira de Letras e sepultado no fim da tarde no Cemitério São João Batista. Em sua homenagem, em 1997, o governo do Maranhão inaugurou a primeira biblioteca do Farol da Educação com a denominação de Biblioteca Farol da Educação Josué Montello.

Ainda este ano, quando a Casa Josué Montello festeja 35 anos de fundação, estão previstos também o lançamento de mais duas obras de Montello: Janelas Fechadas, seu primeiro romance, e o segundo volume da coletânea de crônicas sobre autores maranhenses que o escritor publicou no Jornal do Brasil entre os anos de 1966 a 1992.

Para Joseane Souza, diretora da Casa de Cultura Josué Montello, instituição voltada para a preservação e divulgação da obra do escritor, o lançamento de O tesouro de D. José e outros contos tem grande importância na medida em que resgata uma obra que os leitores não têm acesso há décadas, sendo completamente desconhecida do público. “Para se ter uma ideia, a própria Casa contava apenas com uma cópia xerox da primeira e única edição do texto, lançado há mais de setenta anos”, observa Joseane.

MOSTRAR MAIS