Despedida

Feira do Livro encerra hoje; ainda dá tempo de visitar

O maior feira literária maranhense colocou em debate assuntos relacionados a questões de gênero e identidade racial

Reprodução

A 11ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS) termina hoje (19) com o foco na diversidade de temáticas sociais. Além dos tradicionais exemplares à venda nos estandes, quem visita o evento participa de debates e palestras sobre homofobia, racismo e feminicídio, temas atuais em nossa sociedade e também retratados na música e no teatro.

O maior evento literário do Maranhão tem sido desenvolvido com o objetivo de valorizar a tradição literária e cultural da capital maranhense. A ideia é propiciar mais acesso ao livro, estimulando a formação de novos leitores e incentivo às cadeias produtivas em torno de mais títulos.

Quem visitar a feira até hoje, das 10h às 22h, na Praia Grande, poderá prestigiar as apresentações e intervenções artísticas no Pé de Livro e no Anfiteatro Beto Bittencourt. O Cine Praia Grande, além de ter uma programação de exibição de curtas infantis, abriga, também, a partir das 16h, o espaço Casa do Escritor Maranhense, onde vêm acontecendo os lançamentos de livros.

Em uma das rodas de debates, o antropólogo e professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Carlos Benedito Rodrigues da Silva, ressaltou o processo de disseminação do reggae na cultura maranhense. “Estamos discutindo a respeito do reggae e a construção da identidade maranhense, o que é forte no nosso estado. A cultura não é apenas um retrato do passado, a cultura é um processo de troca, dinâmico. Precisamos estar sempre colocando o tema em debate social”, comentou.

No Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, o hall de entrada está sendo ocupado pela Exposição ‘Maria Firmina dos Reis, uma maranhense’, homenagem prestada à primeira romancista brasileira. Neste ano completam-se cem anos de sua morte. A escritora ganhou notoriedade pela ousadia, originalidade e pioneirismo no cenário literário nacional, destacando-se como contista, folclorista, poetisa, abolicionista, compositora e primeira romancista brasileira.

LANÇAMENTOS NACIONAIS

Os visitantes também estão tendo a oportunidade de conhecer 40 novas obras literárias maranhenses e mais 16 obras nacionais, que estão sendo lançadas ao longo do evento. Para Daniele Gonçalves, de 16 anos, estudante do 2º ano, a variedade de títulos tem contribuído para que ela aumente a coleção de exemplares. “Eu venho aqui e geralmente consigo encontrar livros de temáticas variáveis, o que às vezes é difícil de encontrar em uma livraria só”, relata. A programação reuniu mais de 100 atividades artísticas, 50 palestras e mesas redondas, mais de 20 oficinas, sete debates literários com escritores, pesquisadores e poetas maranhenses, 14 escritores nacionais e outras ações paralelas de intervenções, exposições, vendas de livros e artigos literários.

A representante da Comissão de Organização da Feira do Livro de São Luís, Aline Nascimento, diz que a edição “está sendo plural porque a gente traz, pela primeira vez, para a roda de discussões da feira temas que discutem a questão de gênero, de massa, reggae, do cordel, sobre as políticas públicas de leitura, fora a tradicional comercialização de livros”. “É interessante pontuar principalmente as discussões, a programação que está muito rica culturalmente. Neste ano, estamos contando com um público imenso, que deve superar as expectativas de outras edições”, avalia Aline Nascimento.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS