Praticando o bem

Como as religiões ensinam a prática da caridade?

Hoje é Dia da Caridade e O Imparcial foi buscar o conceito dessa prática para as religiões mais populares no país

Reprodução

Neste dia 19 de julho é celebrado o dia da caridade no Brasil desde o ano de 1966. Curiosamente, em plena ditadura militar, o marechal Castelo Branco decretou a data para promover o ato de ajudar ao próximo no progresso da humanidade.

Do latim Caritas, caridade significa amor. Mas um amor altruísta, um sentimento de compaixão e empatia para com o próximo, sem que se espere nenhuma recompensa. A caridade muitas vezes está ligada a oferecer esmolas, doar dinheiro ou para aliviar aquele “peso na consciência” de pessoas que fazem da bondade um ato para se vangloriar. O Imparcial foi buscar nas diversas religiões o verdadeiro significado da prática da caridade. A maioria delas prova que essa prática vai além. Ela é fundamental no dia a dia e deve ser entendida como um estilo de vida.

A Igreja Católica

Para a Igreja católica, a caridade se assemelha ao ágape, que é o amor de Deus. Ela é fundamentada por um dos principais mandamentos bíblicos, o “amar ao próximo como a si mesmo” e a “Deus sob todas as coisas”. Essa atitude só pode ser alcançada aproximando o comportamento humano do comportamento divino, ou seja, praticando o que a bíblia prega. Nas doações de esmolas, por exemplo, a virtude da prudência deve sempre prevalecer: que outras formas o cristão pode encontrar para ajudar melhor as pessoas que mais sofrem? O católico deve buscar pensar pela via material e pela via espiritual: pode-se oferecer doações como gesto de caridade, mas levando a evangelização nas palavras e nos atos.

Igrejas protestantes

O protestantismo também considera a caridade como fundamento do ágape. Para a religão, o mandamento de Jesus é fazer o bem a todos independente de cor ou nacionalidade,gênero. A caridade é um modo de viver em partilha, mesmo o pouco pode ser dividido, inclusive com um inimigo. O que pregam as igrejas protestantes é que jamais um cristão deve negar ajuda a outro, tendo como ajudar, é claro, e sem esperar coisas materiais em troca: a caridade é um bem que se faz para se aproximar do amor de Jesus.

A doutrina Espírita

Já a doutrina espírita toma a caridade como um dos pilares da moral humana e não se resume ao auxílio material. Segundo o livro do espíritos de Alan Kardec, o verdadeiro sentido da palavra caridade é a “benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições dos outros, perdão das ofensas”. O homem que não vivencia a pratica da caridade não cumpre seu destino na Terra, ou seja, fora da caridade não há salvação. Porém, o evangelho espírita não a toma como regra, mas como guia, levando os praticantes a descobrir por si só as consequências e aplicações da caridade no dia a dia. É necessário ter vontade de fazer o bem no plano terreno, ao passo que a prática do mal se assemelha à inercia e a despreocupação perante os problemas sociais.

O espiritismo é muito conhecido por promover ações que beneficiam pessoas carentes. O Projeto social Lar de Maria foi pensado por Wellington Mendes e Fátima Nogueira para prestar caridade de forma ampla e contínua aos moradores da Vila Vitória, bairro de São Luís. “Acho que o papel não só do Lar de Maria, mas de todos os Centros Espiritas é ser elo de união entre quem precisa de auxilio e quem pode auxiliar. Assim, quando pensamos em trabalhar no bem e na caridade, a primeira preocupação era onde iniciaríamos, pois entendemos que um Centro Espirita tem que estar aonde a caridade possa estar, onde possa ser necessária e agregadora”.

E para a umbanda?

Na umbanda, alguns seguidores da religião interpretam a caridade como fazer o bem aos seus próprios guias, para que estes evoluam. Porém, essa é uma prática inversa ao que a religião espera. A caridade é exigida e colocada também como um alicerce. A pratica deve ser vivenciada tanto no terreiro, como no convívio familiar e fraterno. Seguindo os ensinamentos passados pelos Pretos-Velhos, as entidades mais evoluídas como pregam muitos umbandistas, não há meio maior de se aproximar do divino, preenchendo o coração das pessoas mais necessitadas, e enchendo-as de carinho e segurança.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS