Reprodução

Em Assembleia Geral realizada nessa quarta-feira, 29, nas sedes do SEEB-MA, em São Luís e Imperatriz, os bancários maranhenses rejeitaram a proposta da Fenaban e dos bancos públicos, que previa reajuste salarial de 5% (inflação de 3,78% + 1,18% de aumento real) e acordo com validade de dois anos.

A categoria aprovou, ainda, um indicativo de greve para segunda-feira, dia 3 de setembro, em todo o Estado, a depender do quadro nacional.

Veja Também

Outros sindicatos do país, como o de Brasília, Rio Grande do Norte, Bauru/SP, Amazonas, Pará (rejeitou a do BB), Florianópolis/SC (rejeitou a do BB) e Goiás (rejeitou a da Caixa), também rejeitaram a proposta

“Os bancos lucraram quase R$ 80 bilhões em 2017, lucro este que cresce de 20 a 30% ao ano. Logo, é inadmissível um aumento real de apenas 1,18%, índice muito inferior ao reajuste dos alimentos e dos combustíveis. São migalhas”, criticou o diretor do SEEB-MA, Dielson Rodrigues.

Durante a Assembleia, os bancários do Maranhão criticaram, ainda, a proposta de acordo bianual, que representa um risco para a categoria, ainda mais com a vigência da Reforma Trabalhista.

“Nos próximos dois anos, os bancos poderão fazer novas reestruturações, fechando agências, demitindo, descomissionando e precarizando as condições de trabalho dos bancários, assim como fizeram de 2016 e 2018. E nada poderemos fazer, pois o momento de lutar é esse. Por isso, aprovamos o indicativo de greve para a próxima segunda-feira, em consonância com a decisão de outros sindicatos do país”, afirmou a diretora do SEEB-MA, Gerlane Pimenta.

Assembleia Geral

Uma nova Assembleia Geral foi marcada para esta sexta-feira (31/08), às 18h30, nas sedes do SEEB-MA, em São Luís e Imperatriz, com o objetivo de avaliar o quadro nacional e organizar o movimento grevista.