Caso Neymar

Najila é indiciada por fraude processual, denuncia caluniosa e extorsão

A delegada Juliana Lopes Bussaco, da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, também decidiu indiciar o ex-marido dela Estivens Alves

Reprodução

A Polícia Civil de São Paulo anunciou, nesta terça-feira (10/9), que concluiu dois inquéritos relacionados à acusação de estupro contra o jogador Neymar Júnior. A delegada Juliana Lopes Bussaco, da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, decidiu indiciar Najila Trindade Mendes de Souza, que acusou o atleta pelo crime, e o ex-marido dela Estivens Alves. Os dois responderão por fraude processual. Além disso, a polícia diz que “após o esclarecimento da materialidade delitiva, procedida à realização das respectivas perícias e oitivas, a autoridade também decidiu pelo indiciamento de Najila nos crimes de denunciação caluniosa e extorsão”.  Ainda de acordo com a delegada, Alves também vai responder por divulgar material com conteúdo erótico de Nájila para um repórter em troca de publicações suas na internet. Os inquéritos, que seguem sob segredo de Justiça, foram encaminhados ao Tribunal de Justiça para apreciação dos representantes do Ministério Público e do Poder Judiciário.

Procurado pelo Correio, o advogado de Najila, Cosme Araújo, se disse surpreso pelo indiciamento, mas ressaltou que ainda não teve acesso ao relatório da delegada e não sabe os elementos e as provas que há nele. De acordo com Araújo, não há cabimento ela ser acusada de extorsão. O advogado também disse que Najila nega qualquer conluio com o ex-marido e que pediu uma acareação entre os dois, mas que Bussaco ignorou.

Relembre o caso

Najila registrou um boletim de ocorrência de estupro contra Neymar, no final de maio, na 6ª Delegacia da Mulher, em São Paulo. Segundo ela, o crime ocorreu em Paris no dia 15 do mês. Quando a denúncia veio a público, Neymar postou um vídeo nas redes sociais negando qualquer crime e afirmando que a relação entre eles foi “normal como entre qualquer casal”. Mas, ao postar mensagens trocadas entre eles, o jogador postou imagens seminuas da garota, o que levou ele a ser investigado por divulgar fotos íntimas.
No final de julho, a delegada conclui a investigação sobre a acusação de estupro e agressão e decidiu não indiciar o jogador e o caso foi arquivado. Em seguida, a 11ª Delegacia de Polícia de Santo Amaro (SP) passou a investigar se a modelo fez denúncia caluniosa de estupro. O inquérito foi instaurado após uma petição do jogador e o pai, Neymar Santos, ser apresentada à Justiça. 

VER COMENTÁRIOS
Concursos e Emprego
Polícia
Você, Gastrô!
Entretenimento e Cultura
Mais Notícias