CORTE DE GASTOS

Plano de Demissão Consensual da Eletrobrás deve atingir 2,5 mil funcionários

O plano se deve à implementação de novas tecnologias. A empresa, que começou em 2016 com 24 mil empregados, pode terminar 2018 com apenas 12 mil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A Eletrobras pretende abrir, em outubro, novo plano de demissão consensual (PDC), que pode alcançar cerca de 2,5 mil pessoas, sinalizou o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, durante evento em São Paulo. A medida deve atingir todas as distribuidoras da empresa no país, inclusive a Eletronorte no Maranhão.

Ele lembrou que a companhia está, neste momento, implantando em todo o grupo o sistema SAP e o Centro de Serviços Compartilhados (CSC), que vão exigir um menor número de funcionários quando estiverem plenamente em operação. “A tecnologia, que é mais avançada, a padronização de processos e a organização dos processos vão permitir ao grupo Eletrobras como um todo, não só a holding, reduzir em torno 2,4 mil empregados”, acrescentou.

Questionado sobre a estimativa de custos com esse novo programa de demissões, o executivo reiterou uma expectativa anterior de R$ 1 bilhão com a redução do quadro de funcionários. Ele lembrou que o programa de demissões incentivadas já aprovado poderia ser reaberto várias vezes ao longo do ano.

Ferreira Junior lembrou que quando chegou à Eletrobras, em 2016, a companhia contava com 24 mil funcionários e é possível que a estatal encerre o ano com apenas metade, 12 mil. A projeção leva em conta que até 6 mil estão nas distribuidoras do grupo, que estão sendo vendidas, e outros mais de 5 mil estão deixando a companhia em programas de demissão e de aposentadoria incentivada.

VER COMENTÁRIOS
MOSTRAR MAIS