Carreira

Ex-goleiro do Corinthians abandona carreira

Hoje, com 27 anos de idade, Renan trabalha quase 12 horas por dia construindo prédios em Governador Celso Ramos

Contratado pelo Corinthians em 2011 como uma das maiores promessas entre os goleiros brasileiros, Renan desistiu do futebol. Hoje, com 27 anos de idade, ele trabalha quase 12 horas por dia construindo prédios em Governador Celso Ramos, cidade a 45 quilômetros de Florianópolis, em Santa Catarina. “Começo a trabalhar às 6h30 da manhã e só termino às 18h”, revela Renan, em entrevista.

Ao lado do pai, seu Silézio, o ex-goleiro decidiu criar uma empresa de construção civil. “Meu pai trabalhou quase 40 anos nesse ramo e optamos em outubro de 2016 por abrir nossa própria construtora, a Reuter”, explica. “A gente mesmo é quem constrói. Estou nesse momento fazendo laje. Entregamos ano passado nosso primeiro prédio, de três andares. Felizmente, os sete apartamentos já foram vendidos.”

A construtora familiar ainda conta com o irmão Darlan e um único funcionário. “Iniciamos há 30 dias outro prédio, também de três andares, mas agora com nove apartamentos. O planejamento é de que ele esteja pronto em dezembro do ano que vem, mas vamos batalhar para entregá-lo um ano antes”, afirma o ex-goleiro. “Depois que acabou o contrato com o Corinthians, em julho de 2016, decidi dar um tempo no futebol e acho que não volto mais”, explica Renan, decepcionado com a antiga carreira. “Parei com 25 anos, porque tem coisas no futebol que não entendo. E o pior é que nem posso falar toda a verdade. Eu vivia futebol 24 horas por dia. Quando não estava treinando ou jogando, assistia a tudo. Hoje, não tenho mais tesão nenhum”.

Durante o período de um ano e meio afastado, Renan teve propostas, principalmente de clubes da Série B. “Até hoje ainda me ligam, mas não posso sair da obra. Pelo menos até o fim desse ano, não dá. De repente, a partir do ano que vem… mas a intenção não é voltar mais ao futebol”, avalia.

Sua única ligação com a antiga profissão é um processo que move contra o Corinthians. Renan prefere não comentar os motivos que o levaram a recorrer à Justiça, mas conta que perdeu a ação em primeira instância, e venceu em segunda. “Não ponho culpa em ninguém do Corinthians, mas, se tivesse um período maior de jogos, as coisas poderiam ser diferentes. O Tite me colocou para jogar três partidas: tive uma falha contra o América-MG e fiz atuações normais nos outros dois jogos, só que a equipe perdeu e eu nunca mais atuei”, relembra o ex-goleiro, que passou a rodar em vários clubes, todos por empréstimo, nos cinco anos de contrato com o Timão.

Renan esteve no Vitória, Estoril-POR, Guarani, Botafogo-SP, Bragantino, Caxias e Tigres. Entre um empréstimo e outro, conviveu com a dura realidade de treinar afastado dos companheiros, no CT do Flamengo de Guarulhos. “E eu nem tinha autorização para treinar com bola. Acho que faziam isso para que eu pedisse a rescisão do contrato”.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS