No tatame

Arte marcial ensina disciplina e respeito para vida

Ao contrário do que muita gente pensa, a arte marcial constrói o desenvolvimento psicossocial e os valores aplicados são levados a sério pelos alunos

Entrar em forma, fazer amizades, desenvolver o autocontrole e a disciplina, extravasar as tensões. Quem pratica uma arte marcial busca bem mais do que aperfeiçoar-se na defesa pessoal. O próprio termo “marcial” mostra que as lutas – como judô, muay thai, karatê, taekwondo, aikidô, jiu-jítsu e a brasileiríssima capoeira – têm referências no treinamento militar, que envolve disciplina e autocontrole físico e emocional. “Não existe arte marcial sem respeito pelo ambiente, sem a valorização do adversário. Desde cedo eu procuro ensinar aos meus alunos a respeitarem o colega de treino, a não se atrasar e o dever de manter o material sempre limpo”, explica o professor de muay thai, Júlio Pires, do Centro de Treinamento Fúria Combat.

Por isso, ao contrário do que muita gente pensa, a arte marcial constrói o desenvolvimento psicossocial. Os valores aplicados são levados a sério pelos alunos, pois a hierarquia das artes marciais precisa ser respeitada e no muay thai isso é efetivo e evidente. “Com as artes marciais, você aprende a ter disciplina interna e o professor é a grande referência na vida de cada aluno em especial. É ele quem influencia de forma direta na vida de cada atleta. Nosso comportamento na vida pessoal também é um espelho do nosso comportamento nos treinos e dos ensinamentos”, completou o professor Júlio Pires.

Além da construção de uma auto-imagem positiva, da convivência social, Júlio Pires menciona ainda outros benefícios diretos das lutas marciais. Preceitos como ‘esforçar-se para o aprimoramento do caráter’, ‘seguir o caminho da verdade’ e ‘reprimir a coragem insensata’, contribuem para gerar atitudes melhores diante da vida. “Um professor considera-se bem-sucedido quando seu aluno consegue transferir a superação da área de treinamento para a própria vida”, complementa.

Corpo e Mente saudável
Com filosofias em que o corpo, a mente e o espírito evoluem juntos, as artes marciais são conhecidas por promover inúmeras “melhorias” em seus praticantes – uma delas, certamente, é o desenvolvimento físico.

Mas a parte física é só a ponta do iceberg. A especialista em treinamento funcional e reabilitação, Caroline Andrade, explica que as artes marciais proporcionam inúmeros benefícios, tanto para as habilidades motoras como para as habilidades cognitivas. Além disso, tem a capacidade de promover a socialização. “Por serem atividades de média e alta intensidade elas proporcionam muitos benefícios, pois há um ganho significativo de força, velocidade, coordenação e agilidade. As artes marciais também ajudam a trabalhar a concentração e memória, tudo isso fruto de disciplina e rotina”, afirmou a personal trainner.

Ao praticar os golpes em cada modalidade e grau de dificuldade, se aprende o caminho da não-violência. “Treina-se o autocontrole e, por isso, diante de uma situação incômoda, agressiva, o lutador aprende a evitar confusão, pegar suas coisas e ir embora”, explica Pires.

VER COMENTÁRIOS
CONTINUAR LENDO
MOSTRAR MAIS